terça-feira, 13 de outubro de 2015

Hoje é dia de branco bebê!!!

Looks para uma terça-feira com cara de segunda!
 MUSA: Júlia Pavin usando jeans stonado com camiseta branca, 
acessórios artesanais e bolsa carteiro de couro.
 Trio tropical:  Camiseta branca + bermuda em algodão + havaianas.
MISS GIRASSOL:  Laila Castiglioni exibindo boa forma com trio
que adoro: viseira + camiseta branca + shortinho floral bem curtinho.
 EASY RIDER: versão brasileira "Herbert Richers"! =)
LINDAS: Tal filha, tal mãe!
FeLiz PEdaL!!!

sábado, 3 de outubro de 2015

Retrato: Sheryda Lopes

     Natural de Fortaleza (CE), 29 anos, jornalista, Sheryda Lopes, ganhou a sua primeira bicicleta  lá pelos 7 anos de idade e até hoje se lembra  do seu pai a levando bem cedo ao campo de futebol perto da casa onde morava para pedalar aos sábados e domingos.  E no meio dessas lembranças ficou a de uma queda que levou e se arrebentou todinha, chegando em casa machucada e coberta de lama.
     O tempo passou  e algumas memórias também, mas foi depois de adulta que começou a ter mais saudade da pequena bicicleta, que acabou abandonada por conta de um pneu furado. Sheryda costuma dizer que a escolha pela bicicleta mudou completamente a sua vida.  Antes ela era uma pessoa paranoica, que andava pela cidade pensando em rotas de fuga e sentia medo de assaltos a todo instante.  Mas, depois que começou a pedalar, passou  a exercitar uma sensação mais relaxada. Lembra-se que nas primeiras saídas com a sua bicicleta, "Shamira",  uma das coisas que a encantou foi passar embaixo de uma árvore, sentir o vento, ouvir o barulho das folhas e ver um pássaro enorme, de cauda comprida. Simplesmente parou para observar!
     “Antes, eu passava na mesma avenida trancada num ônibus lotado, ouvindo as pessoas falarem de assaltos e sempre estressada com a pressa e o desconforto. Agora, de bicicleta, o trajeto é uma oportunidade de prazer, não apenas um tormento.”, nos conta Sheryda que passou a escrever as suas experiências sobre duas rodas no blog De bike na cidade.
     Também descobriu muitos lugares legais, que antes passava rápido demais para reparar.
     Hoje a sua relação com a bicicleta é de amor porque quando está triste ou zangada com algo, basta um simples pedalar para que ela se lembre das coisas boas, da vida e da sua cidade Fortaleza.   Sempre que vai à um lugar para onde nunca tenha pedalado antes, é tomada por uma alegria e uma sensação de superação.  E, também quando vai passear com as Ciclanas ou outro grupo de amigas, como ela mesma traduz, "Sinto uma sensação de liberdade e empoderamento enormes!”.

TEM QUE TER: Para pedalar sob o forte sol do Ceará, o cardigan 
em malha fina é uma peça indispensável em seu guarda-roupa.
Sentir o vento, a encanta.
ADOREI: Saia plissada sobre anágua com renda, um charme!
Fitas coloridas identificam o grupo das "Ciclanas".
Sabemos que o caos no trânsito é um fator crescente em diversas cidades do Brasil e do mundo, por isso, o quanto antes mais pessoas aderirem à bicicleta como veículo em suas cidades, elas vão se relacionar cada vez melhor com o lugar onde vivem.  E, já que essa é a melhor opção, 
InsPIRE-SE e FeLiz PeDaL!!!